Facebook desativa página da Campanha em Defesa do Serviço Público contra a Reforma Administrativa


22.Outubro.2020 - 18h22min

O Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) lançou nota pública denunciando que o Facebook desativou “arbitrariamente a página da Campanha em Defesa do Serviço Público Contra a Reforma Administrativa levada a cabo pelos servidores públicos federais”. A entidade ressalta que a desativação ocorreu em um momento crucial, “em que o governo Bolsonaro e a maioria do Congresso Nacional buscam prejudicar o povo brasileiro novamente”. 

A página da campanha sofreu uma primeira desativação temporária na manhã do dia 30 de setembro, data de diversas manifestações contra a reforma em todo o país e seria usada para fazer uma transmissão, e foi reativada no período da noite do mesmo dia. Depois, no dia 8 de outubro, o Facebook enviou ao Fonasefe nova mensagem de desativação, sob a seguinte alegação: “Você não pode usar o Facebook porque a sua conta, ou a atividade nela, não seguiu os padrões de nossa Comunidade. Nós já analisamos essa decisão e ela não pode ser revertida. Para saber mais sobre os motivos pelos quais desativamos contas, acesse os padrões da Comunidade”. E nada mais.

Na nota, o Fonasefe explica que a reforma administrativa proposta por Paulo Guedes acabará com os concursos públicos, ampliará a terceirização e a privatização de serviços públicos essenciais como saúde e educação. Isso aumentará a desigualdade social e a corrupção no país, “com a destruição desses serviços e com o aumento dos cabides de emprego”.

O Facebook, em vários, países, tem se notabilizado por fazer vistas grossas a manifestações de direita e ultradireita, como grupos supremacistas, enquanto tira do ar e censura conteúdos vinculados a direitos de trabalhadores e trabalhadoras. Como afirma a nota do Fonasefe, “Nos últimos meses que o Facebook tem restringido as postagens políticas e isso atinge diretamente as organizações sindicais e os partidos de oposição ao governo Bolsonaro. Apesar de ser uma organização privada, o Facebook não está acima da Constituição brasileira, que defende o direito à liberdade de expressão”.

Para o Fonasefe “está muito claro o motivo da desativação da página da campanha: trata-se de perseguição política e cerceamento ao direito à liberdade de expressão, como temos observado, por exemplo, em bloqueios das redes sociais de Mark Zuckerberg contra outras campanhas políticas e eleitorais do campo progressista”. O Facebook está cerceando que “ataca diretamente os interesses políticos do governo e dos empresários do país, que desejam destruir os serviços públicos com a Reforma Administrativa para que o povo seja obrigado a pagar por serviços privados”.

Veja, curta e compartilhe os materiais da campanha do Sintrajufe/RS contra a reforma

O Sintrajufe/RS está desenvolvendo uma campanha de rádio, televisão e redes sociais, informando e mostrando que a reforma administrativa, se aprovada, promoverá a destruição do serviço público e inviabilizará o acesso de grande parte da população a esses serviços.

  Confira os vídeos (1, 2, 3), leia a cartilha, compartilhe com seus colegas, amigos, amigas e familiares. Somente com informação e mobilização derrotaremos a reforma de Bolsonaro e Paulo Guedes.

Editado por Sintrajufe; fonte: Fonasefe.

    Veja também

    Últimas Notícias

    Clique aqui e cadastre-se para receber nossos INFORMATIVOS

    cadastre-se

    Faça seu Login

    Troca de Usuário

    Recuperar Senha / Primeiro acesso

    O e-mail foi enviado com sucesso.

    Ocorreu um erro no envio.