Controladoria-Geral da União, sob Bolsonaro, agora se dedica a controlar a opinião dos servidores


17.Junho.2020 - 15h40min

A Controladoria-Geral da União (CGU) decidiu atuar para impedir que seus servidores façam críticas, nas redes sociais, à atuação do órgão. A denúncia foi publicada nessa terça-feira, 16, na coluna de Rubens Valente no portal UOL.

 

Conforme a matéria, a CGU distribuiu publicação avisando seus servidores que "não é legal nem ético fazer postagens inapropriadas em redes sociais que atinjam a credibilidade do órgão". A campanha adverte que o servidor deve ficar "atento" e que "condutas impróprias são passíveis de apuração disciplinar". Comunicado semelhante foi feito recentemente pelo ministério da Saúde. O governo de Jair Bolsonaro (sem partido) vai, assim, fechando o cerco sobre a liberdade de expressão dos servidores, um antigo desejo dos que querem impedir a organização e a ação política de trabalhadores e trabalhadoras do serviço público.

Ameaça é tentativa de silenciar a insatisfação crescente

Em vez de buscar qualificar sua atuação, especialmente no combate à pandemia do novo coronavírus, o governo busca cercear a possibilidade de os servidores expressarem sua óbvia insatisfação com a condução do país e com o desmonte dos serviços públicos, que avança sob Bolsonaro e Paulo Guedes. Vincula-se a essas ações a intenção do governo e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de reduzir salários, privatizar e acabar com a estabilidade no serviço público, este último, instrumento fundamental para garantir a independência e a autonomia dos servidores frente a pressão política das gestões.

Tentativas de censura em alta

As tentativas de cerceamento aparecem também em um momento no qual tentativas de censura começam a espalhar-se pelo país, impulsionadas pelo bolsonarismo. Um exemplo é o caso noticiado  pelo Sintrajufe/RS na última segunda-feira, 15, no qual uma entidade de oficias da Polícia Militar de São Paulo, vinculada, esta entidade, a apoiadores de Bolsonaro, acionou judicialmente o jornal Folha de S. Paulo e cinco cartunistas por conta de charges que denunciam a violência policial. No Rio Grande do Sul, uma reportagem da RBS TV, que trata da concessão irregular do auxílio emergencial, está sob censura prévia, contrariando o que determina a Constituição. Uma das pessoas citadas na reportagem entrou na Justiça e o juiz Daniel da Silva Luz, da comarca de Espumoso, no Norte do Rio Grande do Sul, concedeu liminar impedindo a publicação de material que envolva o nome da autora da ação.

    Veja também

    Últimas Notícias

    Clique aqui e cadastre-se para receber nossos INFORMATIVOS

    cadastre-se

    Faça seu Login

    Troca de Usuário

    Recuperar Senha / Primeiro acesso

    O e-mail foi enviado com sucesso.

    Ocorreu um erro no envio.