Outubro Rosa: exercícios regulares ajudam na prevenção ao câncer de mama


26.Outubro.2018 - 18h02min

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, cerca de uma a cada 12 mulheres terão um tumor nas mamas até os 90 anos de idade. O câncer de mama pode ter relação com diversas questões, e há mudanças de hábito que podem auxiliar na prevenção da doença, como a prática regular de exercícios físicos.

Uma pesquisa feita por instituições brasileiras e norte-americanas, em parceria com o Ministério da Saúde, constatou que 12% das mortes causadas pelo câncer de mama no Brasil poderiam ser atribuídas à inatividade física. O artigo, publicado na revista Nature em julho deste ano, cruza o número de vítimas fatais do câncer de mama, entre 1990 e 2015, com os índices de sedentarismo do país e com outras pesquisas que mostram qual o risco de uma pessoa que faz exercício ter câncer de mama em comparação a pessoas inativas.

 Ainda de acordo com o estudo, os estados brasileiros com melhores indicadores socioeconômicos têm altas taxas de mortalidade e morbidade por câncer de mama atribuídas à inatividade física, porém esse dado pode refletir também outros aspectos, como maior expectativa de vida, que aumenta o risco de desenvolver a doença, e maior acesso a centros de saúde, com maior número de diagnósticos. Além disso, a análise concluiu que 6,5% dos óbitos por essa doença são atribuídos ao consumo de bebidas alcoólicas, ao sobrepeso e a uma dieta rica em açúcar e gordura. O impacto é menor do que o do sedentarismo, mas bastante significativo.

De acordo com o oncologista do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Glauber Leitão, “fortes evidências têm demonstrado que o treinamento físico pode reduzir o risco de câncer de mama em até 20%”. Ele menciona um dos estudos comentados durante o encontro da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco), realizado em junho de 2016, em Chicago, nos Estados Unidos. O levantamento investigou a fundo pesquisas publicadas de 1990 a 2014 e revelou que a atividade física faz bem tanto para mulheres que estão em tratamento do câncer de mama como para aquelas livres da doença.

Um dos mecanismos pelos quais o exercício reduz o risco de câncer de mama é redução da taxa de gordura corporal, diminuindo consequentemente as concentrações de estrogênio e de insulina, os quais estimulam a proliferação celular. “Atualmente, percebemos que o exercício tem um papel na diminuição de hormônios como o estrógeno, que é um fator de risco importante para o desenvolvimento do câncer de mama. Isso vale para as mulheres que ainda não atingiram a menopausa”, explica Glauber. Para aquelas que já deixaram de menstruar, a atividade física também pode ajudar a diminuir a chance de aparecimento do tumor. “Nesses casos, o exercício tende a provocar queda de alguns fatores inflamatórios, os quais poderiam contribuir para o desenvolvimento do tumor”, acrescenta o médico.

Editado por Sintrajufe/RS; fonte: revistas Nature e Saúde, Jornal do Commercio (Recife)

    Veja também

    Últimas Notícias

    Clique aqui e cadastre-se para receber nossos INFORMATIVOS

    cadastre-se

    Faça seu Login

    Recuperar Senha / Primeiro acesso

    O e-mail foi enviado com sucesso.

    Ocorreu um erro no envio.