Pesquisa de Saúde 2018/2019

SEGUIR NA LUTA PELO DIREITO A TRABALHAR COM SAÚDE

Trabalhar em um ambiente livre de assédio e em circunstâncias que não prejudiquem a saúde dos servidores é um direito básico. No entanto, esse direito tem sido sonegado à categoria de forma sistêmica, com agravamento crescente nos últimos anos, sobretudo por conta do modelo de gestão baseado em metas de produtividade atualmente em vigor no Judiciário Federal brasileiro.

Somado à forma vertical como as decisões ocorrem no Judiciário e ao contexto de desmonte do serviço público, com direito a estrangulamento orçamentário, enxugamento do quadro de servidores e retirada de direitos, esse modelo de gestão tem sido responsável pela ampliação da sobrecarga, da exigência de metas, do assédio moral e, consequentemente, do adoecimento físico e psíquico dos servidores.

É nesse grave contexto, dando continuidade à luta contra o adoecimento no trabalho e se mantendo na vanguarda dessa frente de batalha em defesa de um serviço público valorizado e de qualidade, que o Sintrajufe/RS apresenta os resultados da Pesquisa de Saúde 2018/2019.

Nesta Pesquisa, o sindicato contou com uma verdadeira força-tarefa organizada em três universidades federais - UFPEL, UFRGS e UFCSPA, em um trabalho que contou com grande adesão da categoria, cujos desfechos apontam a urgência de soluções em nível local e nacional para reverter o quadro de adoecimento em virtude das características do trabalho no Judiciário Federal. Compartilhamos esses dados para que, com o engajamento de todos, se reverta o quadro de adoecimento em função do trabalho.

Uma vez mais, contamos contigo para que siga essa luta.

A PESQUISA DE SAÚDE SINTRAJUFE/RS 2018/2019

Este relatório descreve os principais resultados da Pesquisa de Saúde dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul – 2018/2019, um estudo epidemiológico de corte transversal realizado no ano de 2018 a partir da parceria entre a Universidade Federal de Pelotas – UFPel, a Universidade Federal de Ciências de Saúde – UFCSPA, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e o Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União no Rio Grande do Sul – Sintrajufe/ RS.

A coordenação da pesquisa foi realizada por professores da UFPel, em uma ação conjunta com a Secretaria de Saúde e Relações de Trabalho do Sintrajufe/RS. A análise dos resultados e o trabalho de campo contaram com a colaboração de professores e pesquisadores das três universidades federais envolvidas no estudo, além do apoio institucional de divulgação prestado pelas administrações do TRT4, do TRE-RS, da Seção Judiciária do RS, do TRF4 e das auditorias da Justiça Militar da União no RS.

A pesquisa abordou diversos aspectos da saúde e das condições de trabalho entre os servidores públicos ativos dos cinco órgãos do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul, aprofundando temas como o estresse no trabalho, assédio moral, mecanismos de gestão, ergonomia, saúde mental e saúde física, entre outros.

A pesquisa foi organizada pelo Departamento de Medicina Social da Universidade Federal de Pelotas, em conjunto com a Secretaria de Saúde e Relações de Trabalho do Sintrajufe/RS. O projeto foi registrado na Plataforma Brasil – plataforma nacional de pesquisas, tendo sido aprovado pelo Comitê de Ética da UFPEL. As informações foram transportadas e armazenadas diretamente no servidor da Universidade Federal de Pelotas, com acesso restrito aos pesquisadores das universidades envolvidas no projeto.

Os achados deste estudo detalham o panorama da saúde dos trabalhadores do judiciário e apontam diversos focos de intervenção para a melhoria das condições de trabalho e saúde na categoria. Tais resultados somam-se aos resultados de pesquisas prévias realizadas no Judiciário Federal do Rio Grande do Sul e descrevem de maneira mais complexa as relações entre diversos aspectos do trabalho e a saúde.



Clique aqui e cadastre-se para receber nossos INFORMATIVOS

cadastre-se

Faça seu Login

Recuperar Senha / Primeiro acesso

O e-mail foi enviado com sucesso.

Ocorreu um erro no envio.